Brasileiros estão inundando WhatsApp de reclamações por "nudez feminina" - WillCarvalho.com - O blog do Will Carvalho Locutor

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Brasileiros estão inundando WhatsApp de reclamações por "nudez feminina"

O WhatsApp tem sido inundado de mensagens de brasileiros revoltados. Se você acha que tem a ver com a greve dos caminhoneiros ou com escândalos de corrupção, está bem enganado: as reclamações são por uma mensagem falsa que supostamente veta "nudez feminina" para usuários.

Não entendeu nada? A história começa com uma brincadeira típica de grupos. A pegadinha simula a mensagem que o WhatsApp manda aos usuários avisando que uma mensagem foi apagada na conversa. Apesar do design em itálico e com o mesmo ícone, a mensagem é um pouco diferente:

=== CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ===



"Esta mensagem foi apagada porque tinha nudez feminino (sic), e a nova funcionalidade do WhatsApp com inteligência artificial indica que você não gosta".

 Parece óbvio que é brincadeira, não? Mas não é. Segundo o UOL Tecnologia apurou, o volume de reclamações sérias sobre a mensagem é bem maior do que o tema faz supor. O que os reclamões querem é a liberação da nudez em suas contas

Algumas dessas reclamações, com jeito de sérias, foram parar até no Twitter.

    ∅ _Esta mensagem foi apagada porque tinha nudez feminino, e a nova funcionalidade do Whatsapp com inteligência artificial indica que você não gosta_
    Pode isso Arnaldo??? Q merda é essa de se meter no meu gosto???
    — Angelin (@angelin62) May 18, 2018

A origem da pegadinha também é incerta, mas ela existe em outras línguas, incluindo o alemão. Porém, nossa apuração indica que quem ficou mesmo pistola com essa história foram os brasileiros. Em face da revolta, é bom deixar claro: a mensagem é falsa - apesar de nudez costumeiramente não ser aceita em termos de uso de vários aplicativos e redes sociais por aí.

Procurado, o WhatsApp disse que não comenta oficialmente sobre o assunto e o histórico de denúncias que recebe.

COM INFORMAÇÕES  DO  SITE UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário